quarta-feira, junho 28, 2006


Eu sempre fui muito, mas muito avoada. Eu me disperso muito fácil e se eu não prestar bem atenção nas tarefas que estou executando sempre sai besteira. É comum no meu trabalho eu arquivar documentos da empresa na minha bolsa. Até dinheiro do caixa da empresa já achei guardado nela. Mas devolvi tudo viu ?

Mas esse meu defeito já me causou uma situação assustadora uma vez. Fazia pouco tempo que eu tinha tirado minha habilitação e um dia eu fui tirar o carro da garagem da casa do meu sogro. A casa dele fica no topo de uma rua com um declive acentuado que vai terminar numa avenida de grande movimento. Eu sai da garagem, desliguei o carro e fui fechar o portão. Quando eu estou voltando para o carro, eu vejo que ele esta começando a descer a rua bem devagarzinho. É; eu tinha esquecido de puxar o freio de mão ...

Mas não tive dúvidas. Dei uma de Super Homem e corri pra frente do carro e comecei a segurar ele com as duas mãos. Como ele estava atravessado na rua, ele não tinha pego embalo o suficiente pra descer por ela. Mas como eu não sou o Super Homem essa minha proeza não adiantou muito não. Ele continuava vagarosamente a descer a rua. Resolvi soltar o carro, correr e pular dentro dele pra puxar o freio de mão. Ufa! Consegui. Mas nem preciso dizer que me bateu a maior tremedeira né?

Numa outra vez a situação foi muito constrangedora. Eu trabalhava numa empresa onde meu namorado ia me buscar todos os dias. Todo santo dia lá estava ele com o carro estacionado no mesmo lugar. Um belo dia, eu sai do escritório com a cabeça no mundo da lua e me dirigi ao carro estacionado como sempre fazia . Abri a porta, entrei, sentei e quando me virei para cumprimentar meu namorado, eu dei um grito! Aquele homem sentado ali não era ele não! Era o marido de uma funcionária que tinha começado a trabalhar ali há uns 3 dias. Os carros eram de cores e modelos diferentes, mas como ele estava estacionado no lugar que eu estava acostumada, eu fui entrando sem olhar. O pior foi ter que explicar pra moça no dia seguinte que o fato de eu estar pronta pra dar um beijo na boca do marido dela, tinha sido um mero engano. No dia seguinte, eu cheguei e já fui logo cedo falar com ela:

- Olha, sabe o que é? É que meu namorado. Aiii me desculpa, mas é que eu confundi os carros. Não é nada disso que você ta pensando ...

Eu parecia uma louca falando um monte de frases desconexas pra mulher, e ela só ficava me olhando com a maior cara de espanto. Depois eu fiquei sabendo que falaram pra ela que eu não batia muito bem da cachola, e acho que isso foi a minha salvação.

Hoje eu digo uma coisa. Posso até continuar guardando dinheiro dos outros na minha bolsa, mas confundir carro, isso eu não faço mais não :)

Um comentário:

Denise Arcoverde disse...

Marcinha eu sou dez vezes pior que você... nem imagina. E quando Ted aluga carro, pode ser uma semana, eu não consigo decorar nem a cor dele, de jeito nenhum :-)