sexta-feira, agosto 18, 2006

Era uma vez uma jovem senhora viúva. O destino foi cruel com ela levando tão cedo para o reino dos céus o seu grande amor. Mas a natureza foi extremamente generosa com ela, fazendo com que apesar das muitas primaveras seu corpo continuasse o mesmo da sua juventude. Ou seja, era como um violon.

Josuel era dono do botequim da esquina. Moço simples, vinte anos mais jovem que ela. Ele estremecia todas as vezes que a via passar. Ela, por sua vez, se sentia engrandecida com o olhar abobalhado daquele rapaz. Mas eles sabiam que aquele amor não ia dar ...

Depois de confidenciar para uma colega de trabalho da jovem senhora viúva que ela era muito bonita e que apesar da idade, ela deixaria muitas moçoilas no chinelo, ele resolveu cortejá-la.

Como ele era um homem simples e sem muitas idéias, resolveu presentea la com o que havia de mais caprichado no seu botequim. Todos os dias, por volta das duas e quarenta e cinco da tarde, ele mandava entregar uma coxinha de galinha fresquinha feita ali mesmo no seu bar.

Esse gesto deixará a jovem senhora viúva mais entusiasmada com aquele rapaz. Afinal qual mulher não gostaria de ser presenteada com coxinhas de galinha fresquinha todas as tardes? Ah, mas ela sabia que aquele romance não poderia vingar...

Durante anos o ritual da coxinha se repetiu, mas mesmo assim eles continuavam sem trocar se quer uma única palavra. As coxinhas começaram a fazer efeito e se acumular no corpo daquela bela jovem senhora. Josuel percebeu aquilo e logo começou a perder o interesse por ela.

Ahh homens! Logo Josuel já estava de olho em outra, mas como seu empregado já estava acostumado com a entrega das duas e quarenta e cinco, a jovem senhora viúva continuava a receber suas coxinhas quentinhas todas as tardes.

A essa altura, a jovem senhora viúva sentia seu sangue engrossar e seu coração parar de bater cada vez que ela o avistava. Ela acreditava que isso fosse sintoma da paixão, mas na verdade era a sua taxa de colesterol e triglicérides que já estavam pra lá de altos!

Dias depois, deitada numa cama de hospital, o médico ouviu toda sua história, pegou na sua mão e disse:

- É minha jovem senhora, não é fácil mesmo distinguir os sintomas de colesterol alto, infarto do miocárdio ou triglicérides quando se esta apaixonado ;-)

3 comentários:

Silvia Regina disse...

Hahahá! adorei.

Maitê disse...

Pois é, o neócio é cortar a fritura, pro coração funcionar... Bjos

valter ferraz disse...

Márcia, puxa eu jurava que a moça do corpão violão ia ficar com o empregado do Josuel(ô nominho, hein?) e vc me arruma um colesterol e um triglicérides? francamente, só pode ser por causa da surfistinha, é não?